Header Ads

Dúvidas e como eliminá-las?

Dúvidas e como eliminá-las?
Texto: Lucas 7:17-23

Introdução: O nome de Charles Bradley Templeton (1915-2001) pode não soar um sino para alguns de nós, mas todos nós estamos familiarizados com o movimento cristão internacional conhecido como "Juventude para Cristo". Templeton era seu co-fundador. De acordo com o The Christian Post no ano de 1957, depois de uma luta com dúvidas, Templeton rejeitou o cristianismo e se tornou ateu.

A dúvida é uma das muitas armas no arsenal de Satanás. É por isso que eu escolhi pregar sobre as nossas dúvidas hoje. A Bíblia tem muitos exemplos, mas eu selecionei João Batista (Lucas 7:17-23).

1. Duvidamos por causa das circunstâncias

Os eventos registrados nesta passagem ocorreram logo depois que Jesus ressuscitou o filho de uma viúva (Lucas 7:11-16). Neste momento João Batista estava na prisão e soube sobre o milagre através de seus discípulos.
A Bíblia diz que João saltou no ventre de sua mãe com a presença de Maria, que estava apenas grávida de Jesus (Lucas 1:41). Ele foi o primeiro a reconhecer que Jesus era o Cristo (João 1:29). Quando ele batizou Jesus, testemunhou como o Pai falou do céu e identificou Jesus como seu filho (Mateus 3:17). No entanto, em Lucas 7:20 ele envia seus discípulos a Jesus para perguntar se Jesus era realmente o Messias.

Por que João Batista duvidou?

Em Isaías 61:1 a previsão era de que quando Jesus viesse, ele iria curar as pessoas feridas, e proclamar liberdade aos prisioneiros. Talvez João sentiu que Jesus não estava fazendo isso porque o próprio João estava na prisão e não havia libertação para ele de sua prisão. O dilema de João foi causado por suas circunstâncias.

Os outros personagens do Novo Testamento são prova disso. Zacarias (pai de João Batista) duvidou do mensageiro de Deus, porque ele e sua mulher eram velhos, (Lucas 1:18). Tomé duvidou da ressurreição, porque eles estavam sendo caçados como animais, (João 20:24-25).

Implicações

No mundo antigo, as prisões eram geralmente masmorras subterrâneas, cisternas vazias, poços, ou covas na terra. João provavelmente estava preso em um calabouço subterrâneo. Estes lugares eram escuros, superlotados e cheios de doenças. Era comum prisioneiros morrer por doença, fome, a tortura brutal, execução ou suicídio. Prisão é comumente descrita por autores antigos como um destino pior que a morte; inclusive o pensamento de que era terrível.

Compreensivelmente tudo o que João era capaz de ver com os seus olhos naturais era a miséria própria e os companheiros de prisão. Ele não podia ver o que Deus estava fazendo fora de sua cela de prisão. Também duvidamos porque as circunstâncias escurecem nossa visão. Em tais momentos, devemos pedir a Deus em oração para abrir nossos olhos espirituais para que possamos saber que não estamos sozinhos em nossas circunstâncias (2 Reis 6:17). A Bíblia chama isso de fé (Hebreus 11:1).

2. As dúvidas devem ser eliminadas rapidamente

João provavelmente teve que empregar grandes esforços para entrar em contato com os seus discípulos, e vice-versa. É difícil imaginar que a visita de amigos e familiares eram permitidas nas prisões antigas. Mas de alguma forma ele encontrou uma maneira. Ele tinha problemas maiores do que a identidade de Jesus para se preocupar. Mas ele não procrastinou porque ele estava bem consciente da importância de eliminar as suas dúvidas, enquanto elas ainda estavam brotando.

Implicações

Anteriormente, eu disse que nós somos capazes de ver a presença de Deus, mesmo em nossas circunstâncias, se tivermos fé. Quer isto dizer que João Batista não tinha fé? Certamente não. João questionou porque ele era um homem de fé informada (oposto a fé cega).

O dicionário define a fé cega como "crença sem verdadeira compreensão, percepção ou discriminação". Este não é o tipo de fé que Deus quer que tenhamos. As dúvidas devem ser eliminadas em seu nível das bases. É perigoso permitir-lhes crescer. Há duas maneiras de fazer isso. Podemos nos referir a Bíblia (Salmo 119: 105) ou os nossos líderes espirituais. A Igreja em Corinto, muitas vezes procurou o conselho do Apóstolo Paulo (1 Coríntios 7:1-40, 8:1-13).

João Batista enviou seus discípulos a ninguém mais que Jesus. Em caso de dúvida, devemos sempre pedir esclarecimentos aos nossos líderes espirituais. Infelizmente para nós, no século 21, a pesquisa começa com o Google e termina com o Google. A internet é um grande recurso e útil até certo ponto.

No entanto, se você precisar de uma cirurgia no cérebro, você vai baixar um "manual faça você mesmo” a partir da Internet ou consultar um neurocirurgião?

Da mesma forma a tecnologia não pode substituir o conselho sábio de nossos líderes espirituais. Não pode substituir os pastores que Deus designou para cuidar de nós.

3. Jesus não nos condena por duvidar

Um blogueiro escreveu uma vez que o dilema de João foi um momento muito estranho nos Evangelhos. Será que Jesus achou que isso foi estranho? Ele certamente não achou estranho. Mas ele realizou mais milagres para assegurar a João que ele estava no caminho certo (Lucas 7:21-22). Jesus não estava repreendendo João Batista, quando ele disse: "E bem-aventurado aquele que não se escandalizar de mim" (Lucas 7:23). Ele estava gentilmente pedindo a João para continuar crendo, apesar das circunstâncias. De fato, Jesus ficou impressionado com o comportamento de João porque sendo o maior Profeta sempre, João não tentou descobrir alguma coisa por conta própria, mas abaixou-se ao ponto de pedir a Jesus uma explicação (Lucas 7:24-28).

Implicações

Jesus muitas vezes repreendeu os fariseus e mestres da lei por sua arrogância e incredulidade (Mateus 12:38-39). Mas ele nunca condenou pessoas cujas dúvidas eram sinceras. Sabemos disso porque ele apareceu para Tomé para provar que a ressurreição era real, para que Tomé não terminasse finalmente na incredulidade (João 20:26-28), Ele restaurou Pedro (João 21:15-19). Jesus ainda é o mesmo. Ele não usa nossas dúvidas contra nós. Na verdade Judas 1:22 aconselhar-nos a seguir este exemplo de Jesus. Lembremo-nos das palavras de Jesus para Tomé cada vez que as dúvidas ofuscarem nossa fé. "Bem-aventurados os que não viram e creram" (João 20:29)

Conclusão: Hoje, o mundo cristão recorda João Batista como um mártir, não como um cético. Embora João morreu de morte violenta, tenho absoluta certeza de que ele morreu com um grande senso de alegria e paz, sabendo que sua morte não seria em vão, porque Jesus já tinha soprado as sombras de dúvida de que nublaram sua fé.

Gostou desse esboço? Olha a novidade que tenho para você!

Eu preparei um e-book com 365 sermões selecionados criteriosamente durante meus mais de 20 anos de ministério. Organizei eles por livros bíblicos para simplificar a busca. Quero que você utilize livremente em suas pregações e possa transformar a vida das pessoas com a Palavra de Deus.

Se você deseja investir em seu ministério, ainda hoje, terá à disposição Um Sermão para Cada Dia do Ano! Clique Aqui para adquirir seu livro.

Nenhum comentário:

Os comentários deste blog são todos moderados, ou seja, eles são lidos por nós antes de serem publicados.

Não serão aprovados comentários:

1. Não relacionados ao tema do artigo;
2. Com pedidos de parceria;
3. Com propagandas (spam);
4. Com link para divulgar seu blog;
5. Com palavrões ou ofensas a quem quer que seja.

ATENÇÃO: Comentários com links não serão aprovados!

Tecnologia do Blogger.